Conjuntura e Comércio Varejista

10/08/2018

Varejo restrito fecha no 2º trimestre de 2018 com crescimento real de 1,6%, na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

Conjuntura e Comércio Varejista

No 2º trimestre de 2018 o varejo restrito apontou crescimento real de 1,6%, ou seja, já descontada a inflação, na comparação com o mesmo trimestre de 2017, quinta alta consecutiva porém em um ritmo mais lento do que nos últimos quatro trimestres. O patamar menor de crescimento no trimestre foi observada na maioria das atividades, a única atividade que cresceu em relação ao 1º trimestre de 2018 foi a de Artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria.

Na comparação de junho de 2018 contra junho de 2017, o varejo restrito apontou crescimento real, de 1,5%. Foi a 15ª taxa positiva seguida, embora menor que a de maio (2,7%).

Na comparação com o “mês corrente versus mês anterior”, o indicador do IBGE encerrou com variação negativa de -0,3%, já descontada a inflação. No acumulado do ano (jan-jun), o varejo obteve um crescimento real de 2,9%.

As vendas do “varejo ampliado”, (classificação que adiciona ao varejo restrito o atacado e varejo de materiais de construção, veículos, motos, partes e peças), apontam em junho na comparação anual, crescimento real de 3,7%. Destaque para o setor de Veículos e motos, partes e peças, que obteve resultado positivo de 10,3% na comparação junho de 2018 sobre junho de 2017.

Desempenho Setorial do Varejo

Das dez atividades monitoradas pelo IBGE, cinco tiveram resultados positivos na comparação anual. Além de Veículos e motos, partes e peças, destaque para a atividade Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que apontou crescimento real de 4,1% em relação a junho 2017, vale ressaltar que houve uma desaceleração no crescimento em comparação com resultado de maio (8,0%), motivado pelos reflexos da greve dos caminhoneiros que ocorreu nos últimos 10 dias de maio.

A atividade Artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria, fechou com crescimento real de 4,0% no mês de junho de 2018, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A atividade móveis e eletrodomésticos fechou em junho de 2018 com crescimento real de 0,7%, na comparação anual, o comportamento positivo deste setor mostra recuperação das vendas em junho em relação a maio quando o resultado apurado foi de -6,8%.  O resultado acumulado nos últimos 12 meses ficou em 6,8% e registrou perda significativa de ritmo de crescimento, principalmente se compararmos com as taxas divulgadas em abril (9,6%) e maio (7,8%). Os resultados por subcategorias foram: decréscimo real de -0,2% para os itens de móveis e de crescimento de 1,0% em eletrodomésticos.

Já a atividade tecidos, vestuários e calçados, registrou em junho de 2018, queda real de -3,5%, na comparação anual, quinto resultado negativo após sequência de doze taxas positiva. No ano já acumula queda de vendas de -3,2%.

Volume de vendas do comércio varejista segundo grupos de atividade

IDV

* Série com ajuste sazonal. Obs.: O comércio varejista é composto pelas atividades numeradas de 1 a 8. O comércio varejista ampliado é composto pelas atividades numeradas de 1 a 10. Fonte: IBGE. Adaptação: NE&PE/GS&MD – Gouvêa de Souza.

Filed in: Conjuntura e Comércio Varejista

Os comentários estão fechados.

Back to Top