Releases Releases

20/12/2010 | IAV-IDV

Varejo deve fechar 2010 com vendas acima da expectativa

De acordo com o IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas), o mês do Natal deve crescer 9,7% em vendas em relação ao mesmo período do ano passado

O comércio brasileiro continua otimista com as vendas de fim de ano. É o que demonstra o IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas), pesquisa realizada mensalmente com os associados do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo) sobre o volume de vendas destes varejistas e as expectativas para os próximos três meses.

Para dezembro, principal período de vendas do setor, o varejo espera crescer 9,7% se comparado com igual período do ano passado. Para os meses de janeiro e fevereiro são esperados aumentos reais de vendas de 9,4% e 11% respectivamente. Em novembro, o crescimento registrado em termos reais foi de 8,1% em relação ao mesmo mês de 2009. Os meses de outubro e novembro de 2010 registraram duas das três maiores taxas de crescimento mensal em todo o ano.

O segmento de varejo relacionado a bens não-duráveis, como alimentação fora do lar, super e hipermercados, farmácias e perfumarias, passa a ser o setor com maior destaque nas projeções de crescimento de vendas para os próximos meses. O aumento esperado é de 12% em dezembro, 13,3% em janeiro e 16,2% em fevereiro.

Já o varejo de bens duráveis, que agrega setores como de material de construção, móveis e eletrodomésticos, também deve continuar a crescer de forma expressiva, acima da taxa de dois dígitos nos próximos meses. A expectativa é que se atinja aumento de 11,2% em dezembro, e 10,6% e 13,2% nos primeiros meses de 2011. O segmento de bens semi-duráveis apresenta as menores taxas de crescimento esperadas: 7,1% em dezembro, 6,3% em janeiro e 6,2% em fevereiro.

Cenário econômico

As vendas de bens não-duráveis, mais essenciais e de menor valor, têm sido beneficiadas pelo aquecimento do mercado de trabalho. A taxa de desemprego registrada em outubro foi de 6,1%, a menor taxa mensal já verificada pelo IBGE desde 2002. Essa movimentação tem gerado ganhos reais aos trabalhadores, o que resulta em seguidos ganhos de renda acima da inflação. A variação positiva da renda, somada à maior absorção de mão de obra do mercado de trabalho, culminou nas maiores taxas de crescimento de massa salarial (conjunto de salários recebidos) pela economia. O crescimento da renda impacta diretamente no aumento e melhoria da cesta de consumo da população, que passa a ter acesso a produtos em maior quantidade e qualidade.

As condições de oferta de crédito em outubro oscilaram ligeiramente. O volume continuou a crescer, porém a taxa média de juros ao consumidor teve acréscimo de 1 ponto percentual, chegando a 40,4% após ter alçado a menor taxa média mensal desde o Plano Real.

Com esse cenário, o segmento de bens duráveis continua auferindo forte crescimento de vendas, porém as últimas medidas anunciadas pelo governo para restringir o crédito, provavelmente, tiveram impacto sobre a expectativa de vendas para os próximos meses. As medidas impostas pelo Banco Central, como aumento do depósito compulsório dos bancos e restrições à compra de veículos com prazos mais longos, sinalizam a preocupação da autoridade monetária com a inflação. Essas medidas serviram como uma forma de frear o consumo através da alta de juros, sem a necessidade de realizá-lo diretamente, pela elevação da taxa básica de juros (Selic).

 

Sobre o IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas)

Criado em outubro de 2007, o IAV-IDV é um índice que consolida a evolução das vendas efetivamente realizadas pelos associados do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo), com o intuito de projetar expectativas para os próximos meses, e assim, servir de base de informação para a tomada de decisão dos executivos do varejo.

Para se chegar aos números apresentados pelo IAV-IDV, as empresas associadas reportam seus próprios resultados e suas expectativas sobre vendas no futuro. Em seguida, estas respostas são ponderadas de acordo com o respectivo porte de cada empresa, para que se alcance indicadores como o volume de vendas e o faturamento nominal. Os dados extraídos pelo indicador têm permitido uma visualização mais ampla do comportamento do mercado para um período futuro de até três meses.

 

Sobre o IDV

O IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) representa 37 empresas varejistas de diferentes setores, como alimentos, eletrodomésticos, móveis, utilidades domésticas, produtos de higiene e limpeza, cosméticos, material de construção, medicamentos, vestuário e calçados. Atuante em todo o território nacional, o IDV tem como principal objetivo contribuir para o crescimento sustentável da economia brasileira, e o desenvolvimento do varejo ético e formal.

Conheça as empresas associadas: Bob´s, C&A, C&C Casa e Construção, Carrefour, Casa Show, Decathlon, DPaschoal, Drogaria São Paulo, Drogasil, Droga Raia, Fnac, Fototica, Grupo Dimed-Panvel, Grupo Pão de Açúcar, Insinuante, Itapuã Calçados, Kalunga, Leo Madeiras, Leroy Merlin, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Lojas Cem, Lojas Leader, Lojas Renner, Lojas Riachuelo, Lojas Marisa, Magazine Luiza, mmartan, O Boticário, Pernambucanas, Polishop, Quero-Quero Casa e Construção, Ráscal, Telhanorte, Tok&Stok, Wal-Mart e GS&MD- Gouvêa de Souza.