Varejo restrito fecha no 3º trimestre com crescimento real de 4,3%

15/11/2017

Varejo restrito fecha no 3º trimestre com crescimento real de 4,3%, na comparação com o mesmo trimestre do ano passado

Conjuntura e Comércio Varejista

No 3º trimestre de 2017, o varejo restrito apontou crescimento real de 4,3%, ou seja, já descontando a inflação, na comparação com o mesmo trimestre de 2016. O resultado é o mais elevado desde o 1º trimestre de 2014 quando o indicador apontou 4,5%.

Na comparação setembro de 2017 contra setembro de 2016, a PMC (Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE) apontou crescimento real de 6,4% no varejo restrito, sexto mês consecutivo de aumento de vendas. Já nosso indicador IAV-IDV, apontou no mesmo período, elevação de 6,4%, antecipando em mais de 30 dias o resultado do varejo.

Na comparação com o “mês corrente versus mês anterior”, o indicador do IBGE encerrou com variação positiva de 0,5%, já descontada a inflação. No acumulado do ano, ou seja, de janeiro a setembro de 2017, o varejo restrito apontou crescimento real de 1,3%.

As vendas do “varejo ampliado”, (classificação que adiciona ao varejo restrito o atacado e varejo de materiais de construção, veículos, motos, partes e peças), apontam em setembro na comparação anual, crescimento real de 9,3%.

Desempenho Setorial do Varejo

Das dez atividades monitoradas pelo IBGE, sete tiveram resultados positivos na comparação anual. Destaque novamente para a atividade móveis e eletrodomésticos, que tiveram o maior crescimento em setembro de 2017 na comparação anual, dentre os outros segmentos, fechando em 16,6%. O aumento de vendas por subcategoria em setembro foi de 18,5% na linha de Eletrodomésticos e de 10,4% em Móveis.

O resultado está associado à redução da base de comparação em 2016, da queda de preços nos produtos eletrônicos e móveis (IPCA acumulado de 12 meses de setembro de 2017 para produtos eletrônicos é de -4,49% e de móveis é de 0,60%) e da queda das taxas de juros para as pessoas físicas. Segundo o Banco Central, a taxa média de juros no crédito às famílias saiu de 42,8% em setembro de 2016 para 33,9% em setembro de 2017.

A atividade artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria, fechou com crescimento real de 8,3% no mês de setembro de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. É o quinto crescimento consecutivo, recuperando-se de um começo de ano ruim que foi comprometido principalmente pela elevação dos preços dos produtos. A variação acumulada no ano fechou 1,0%.

A atividade tecidos, vestuários e calçados, novamente obteve resultado positivo. No acumulado do ano de 2017, as vendas reais cresceram 7,8%, sendo assim o segundo segmento que mais cresceu no acumulado do ano na comparação, perdendo somente para móveis e eletrodomésticos.

Já  Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, apontou alta de 6,0%, obtendo o crescimento mais elevado desde abril de 2014, na comparação com setembro de 2016.

Volume de vendas do comércio varejista segundo grupos de atividade

IDV

* Série com ajuste sazonal. Obs.: O comércio varejista é composto pelas atividades numeradas de 1 a 8. O comércio varejista ampliado é composto pelas atividades numeradas de 1 a 10. Fonte: IBGE. Adaptação: NE&PE/GS&MD – Gouvêa de Souza.

Filed in: Conjuntura e Comércio Varejista

Os comentários estão fechados.

Back to Top